PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA COTONICULTURA

 

ESTADUAL NO NORDESTE DO BRASIL

 

Eleusio Curvêlo Freire

Chefe Geral da Embrapa Algodão

 

DIAGNÓSTICO:

 

A cotonicultura no agreste e semi-árido Nordestino é uma atividade dos agricultores

familiares, que plantam áreas médias de 1 a 2 ha por propriedade, utilizando tecnologia

rudimentar, em termos de informações, equipamentos e produtos. O produto obtido

apresenta grande percentual de contaminantes (polipropileno, penas de aves e pelos de

animais domésticos) condenados pelas industrias têxteis modernas, que apresentam grandes

restrições a aquisição da produção regional. A produção obtida, em média corresponde a

10% do volume consumido pelas industriais têxteis da região, que complementam suas

aquisições com plumas oriundas do cerrado da Bahia ou do Centro oeste, bem como de

outros países do Mercosul, Estados Unidos, Países da África, Ásia e Europa. O Algodão é

comercializado em caroço, por preços equivalentes, ou remunerado em até 20% acima do

oriundo do centro oeste, para compensar a economia de fretes e impostos. A maioria dos

governos estaduais já emitiram legislação diferindo o preço do ICMS, para aquisições

dentro do Estado, pratica esta que está protegendo o produtor interno; sem a qual o algodão

do centro oeste de melhor qualidade e preço mais competitivo, praticamente inviabilizaria a

continuidade dessa atividade no Nordeste.

Vários estados do Nordeste, a exemplo do Ceará, Alagoas , Paraiba e Rio Grande

do Norte, já prepararam projetos de revitalização da sua cotonicultura. Nestes Estados ,

apesar das dificuldades inerentes a região, como secas, produtores descapitalizados e

serviços de fomento e de assistência técnica deficientes, a cotonicultura tem apresentado

índices crescentes de produtividade e reativado a economia das regiões onde o projeto foi

implantado.

 

NICHOS DE MERCADO PARA OS AGRICULTORES FAMILIARES DO NORDESTE

 

Aproximadamente 85% do algodão brasileiro, está sendo produzido no cerrado,

com alta tecnologia e mecanização total de todas as operações. O produto obtido possui as

seguintes características: tipo 5 a 6,5 ; comprimento de fibras 30 a 34 mm ; resistência

acima de 26 gfltex e finura 4,0 a 4,5 .As industrias têxteis nacionais já sinalizam que a

produção dessa matéria prima já abastece totalmente o mercado, porem necessita-se que

sejam obtidos também outros tipos de matérias primas, quais sejam:

.Algodões de tipos bons (3,0 a 4,5) colhidos a mão e sem contaminantes externos -

possuem valor de mercado 20% acima do algodão de referencia (tipo 6);

.Algodões de fibras longas e extra-Iongas (34-36 e 36-38mm) e fibras tinas (3,4 a 4,0) e

resistentes (acima de 32 a 34 gf/tex) -possuem valor de mercado 30% acima do

algodão de referencia;

.Algodões coloridos naturalmente, nas cores marron e verde -possuem valor de

mercado 50% a 100% acima do valor de referencia.

 

Estes três tipos de algodão podem ser produzidos por agricultores familiares, desde que

sejam treinados, organizados e recebam as sementes e tecnologias próprias à obtenção

de cada tipo de matéria prima desejada. Além do mais, caso os produtores se organizem

em comunidades e passem a beneficiar sua produção em mini-descaroçadores (modelo

Embrapa/Arius) e comercializem a pluma separada do caroço do algodão, podem

agregar valor a sua produção entre 30 a 50%, quando comparada com o sistema

tradicional de comercialização. Após a implantação do projeto de revitalização, as

comunidades podem ser trabalhadas para abastecerem esses nichos de mercado.

 

PREMISSAS ESSENCIAIS DO PROJETO:

 

.Capacitação da assistência técnica publica e/ou privada e de todos os produtores a

serem engajados no Projeto -Responsabilidade Embrapa Algodão;

.Identificação das regiões de maior área cultivada e de maior potencialidade climática e

edáfica, para implantação do projeto -Responsabilidade Secretária de

I Agricultura/Emater;

.Discussão do projeto de revitalização, com todos os segmentos da cadeia produtiva

estadual- Responsabilidade Secretárias de Agricultura e de Industria e comercio;

.Estabelecimento de protocolo de intenções, em que toda a cadeia produtiva se

compromete a contribuir com sua parcela para a revitalização -comercialização -

I induftrialização do algodão oriundo do projeto -Resp. Todos os componentes da

cadeia;

.Alocação de recursos para a disponilibização de um kit mínimo de equipamentos e

insumos aos produtores engajados no projeto ( sementes, animais de tração,

equipamentos a tração animal, pulverizadores, defensivos, tubos mata bicudos) -

Resp: Embrapa , Secretárias de Agricultura, Banco do Nordeste, Algodoeiras;

.Acompanhamento e treinamento continuo dos produtores, durante três etapas ao longo

da safra, inclusive no período de colheita -Resp: Embrapa e Emater;

.Fornecimento de sacaria e barbante de algodão na colheita, para eliminação das

contaminações- Resp: Governo do Estado, Algodoeiras e Industria têxtilç

.Comercialização da produção apreços de mercado, junto as algodoeiras e industrias

têxteis -Resp.lndustrias têxteis do Estado.